top of page
  • Foto do escritorEppurSi - CAFF

A Tânia Laranjo gosta de escarafunchar e chafurdar, mas odeia fazer o teste (Caso Fábio Guerra)


Fonte CM Multimédia (22 Março de 2023)

 




Auxiliamos na (In) Justiça!




Encontrava-se o CEO da "Eppur Si", Dr. João De Sousa, em sua casa, nesta sexta-feira feriado, 7 de Abril de 2023, após ter realizado uma refrescante alquimia alcoólica em que sementes de cardamomo, flores de anis, pimenta da Jamaica, casca de limão e de laranja se sublimaram com água tónica, resultando num refrescante Gin Especiarias / Laranja, quando inopinadamente recebe notícias da Sra. Tânia Laranjo!

Um pouco confuso pelo impacto da informação proveniente dos seus sentidos e pela inevitável associação das palavras "Laranja-Tânia-Gin-Laranjo", o Dr. João De Sousa ficou a saber que a Sra. Tânia Laranjo, através de uma sociedade de Advogados, informou e requereu ao Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa, Juízo Central Criminal de Lisboa, Juiz 2, Processo n.º 266/22.5 SGLSB - o Caso da morte do Agente da P.S.P. Fábio Guerra - que fosse dispensada de comparecer como testemunha!


Tânia Laranjo a realizar o seu jornalismo de investigação (Fonte CMTV)

Pergunta a(o) Estimada(o) Leitora(o): qual a razão invocada pela Sra. Tânia Laranjo no pedido ao Tribunal para não ser testemunha no julgamento dos dois fuzileiros que alegadamente mataram o Agente Fábio Guerra?

Tânia Laranjo requereu a dispensa ao Tribunal porque o CEO da "Eppur Si", Dr. João De Sousa, Consultor Forense da equipa transdisciplinar que defende o Sr. Cláudio Coimbra, segundo esta, está a limitar o exerc´ício da sua profissão, profissão essa que conforme a exerce a Sra. Tânia Laranjo, novamente segundo esta, é um dos pilares da democracia e é de importância capital para a transparência da Justiça e na luta contra a criminalidade (isto tudo assim se verifica porque a Sra. Tânia Laranjo exerce a sua profissão da forma como exerce, segundo a própria).


"Inside information" (do tipo de informação que só a Sra. Tânia Laranjo obtém e divulga): quando o Dr. João De Sousa tomou conhecimento do atrás exposto, e foi no exato momento em que estava a degustar um pouco do seu Gin Laranja, desperdiçou alguns mililitros do seu preparado alcoólico porque a explosão de riso foi tal que projectou todo o conteúdo líquido que estava prestes a ingerir.


A Sra. Tânia Laranjo informa o Tribunal que por ter sido arrolada como testemunha para prestar declarações no julgamento em apreço, esse facto impede-a de exercer a sua profissão e de garantir a difusão do que se passa nas várias sessões do julgamento!


O copo de Gin Laranja do Dr. João De Sousa

Não percebe a Sra. Tânia Laranjo a razão pela qual vai testemunhar em Tribunal, uma vez que somente soube do sucedido depois dos factos ocorrerem e aquando da realização do seu trabalho.


Surpreendente! Não é surpreendente o facto de a Sra. Tânia Laranjo invocar o que antes se referiu, surpreendente mesmo, diria até preocupante, é a certeza com que a Sra. Tânia Laranjo opina sobre os casos que cobre profissionalmente porque sabe do que está a falar e realizou um excelente trabalho de investigação jornalística: afinal não é assim, afinal a Sra. Tânia Laranjo só fala por falar e desconhece por que o faz!

Afinal, a Sra. Tânia Laranjo escarafuncha, chafurda e opina, mas quando tem de realizar o teste da verdade e ser escrutinada não é nada com ela, e se alguma coisa for, segundo a Sra. Tânia Laranjo, é um reprovável ataque ao direito de informar e de contribuir para a transparência da justiça!


Como o disse o Príncipe da Dinamarca à Rainha sua mãe: "Ó vergonha onde está o teu rubor?" (O shame, where is the blush?) - "Hamlet"

Mas se as faces da Sra. Tânia Laranjo algumas vezes se enrubescem, atendendo aos predictores conhecidos, não se ruborizam pela vergonha, será por outro qualquer fenómeno que cause vasodilatação!


A Sra. Tânia Laranjo foi arrolada como testemunha pela equipa transdisciplinar de defesa do Dr. João De Sousa no seu julgamento: processo conhecido pelo "Caso do tiro na banheira" (ver texto, também neste espaço: "Na Polícia Judiciária falsificaram provas: Tiro na Banheira da Casa de Rosa Grilo (c/ vídeos)"


Quando, inequivocamente, se demonstrou em sede de julgamento que a Polícia Judiciária tinha falsificado provas para que se condenasse o Dr. João De Sousa, a equipa transdisciplinar de defesa do mesmo prescindiu de todas as testemunhas, informando que estava preparada para alegações finais.

Como é lógico e decorre do exposto, a Sra. Tânia Laranjo também foi dispensada.


Fonte: Jornal da Madeira (terra da Poncha)



A foto que acompanha este parágrafo é só para contextualizar, como o faz a Sra. Tânia Laranjo nos seus trabalhos de "jornalismo de investigação".







Voltando ao pedido de dispensa da Sra. Tânia Laranjo enquanto testemunha.

A Sra. Tânia Laranjo invoca o facto de já ter sido arrolada como testemunha por parte desta equipa transdisciplinar e depois dispensada, com o objectivo pérfido e ardiloso de inviabilizar a realização do seu "jornalismo de investigação".


Tânia Laranjo, ao invocar esta suspeição ao Tribunal, mentiu!


Requereu e informou o Tribunal como realiza o seu trabalho: escarafuncha e chafurda e não é exacta no que propala, obedecendo sempre a agenda particular ou corporativista, envergonhando todos aqueles que com profissionalismo, ética e brio, exercem a nobre profissão de Jornalistas.


A Sra. Tânia Laranjo fez "queixinhas" ao Tribunal porque os meninos não a deixam brincar como gosta, lamentando-se porque o Dr. João De Sousa (como o fez no parágrafo anterior particularizando na sua pessoa) afirma que o jornalismo praticado pelo jornal onde trabalha deveria envergonhar todos os jornalistas!


Pior, a Sra. Tânia Laranjo coloca uma sombra de suspeição sobre a equipa transdisciplinar de defesa do Sr. Cláudio Coimbra quando, sem qualquer fundamentação, acusa os mesmos de manobras obscuras.

A Sra. Tânia Laranjo deveria saber que quando um cidadão é solicitado a colaborar com a realização idónea e capaz da Justiça tem de atender à convocatória.

Tânia Laranjo, cidadã portuguesa, que trabalha para um jornal, tem de se apresentar em Tribunal à data e hora agendada para que possa contribuir para a transparência da Justiça, do processo penal e para auxiliar no combate à criminalidade e, inegavelmente, alcançará mais depressa estes nobres propósitos apresentando-se em Tribunal do que realizando o seu "jornalismo de investigação".


Tânia Laranjo, "jornalista de investigação", tem de interiorizar que esta equipa transdisciplinar de defesa do Sr. Cláudio Coimbra tem como objectivo primeiro e último os interesses do seu Cliente. A "Eppur Si" orienta-se e determina-se de acordo com a verdade dos factos e de acordo com o interesse dos seus Clientes.


A "Eppur Si" não faculta informações à Sra. Tânia Laranjo sobre os seus Clientes a fim de obter a cobertura favorável do CM ou da CMTV ou para vender mais livros, nem mesmo para conseguir tempo de antena sacrificando o interesse daqueles que serve prejudicando-os: não navegamos nessas águas, não entramos em qualquer embarcação, e, apesar de gostarmos muito do Rio Mondego, não somos fãs das suas típicas barcas.


A "Eppur Si", enquanto empresa de Consultoria Forense que oferta formação específica para o momento da prestação de testemunho em Tribunal - Gestão Psicológica de Testemunho em Tribunal - oferece, pro bono, o seguinte conselho à Sra. Tânia Laranjo:   é seu dever, enquanto cidadã portuguesa, apresentar-se sobriamente perante o Tribunal, composta, com respeito pela verdade, não lhe sendo permitido que apresente falsas declarações nem que recorra a discurso dúbio (como os títulos dos seus trabalhos que são menos fiabilidade e objectividade, mas muito mais criatividade/sensacionalismo).


Quanto a tudo o resto, nomeadamente os lamentos, a vitimização, o ataque ao jornalismo e à liberdade de expressão, deixe-se disso e não seja mariquinhas, mas siga o exemplo da mesma (sempre com moderação) como nos canta a D.Amália :


"pois dar de beber à dor é o melhor,

já dizia a Mariquinhas."




4.247 visualizações7 comentários

7 Comments


Guest
Apr 09, 2023

Mentiras, devassa da vida privada, falta de ética, notícias enganosas, destruição de reputações sem direito a resposta tudo isto está jornalista e o jornal no qual trabalha fizeram e o Marcelo Rebelo de Sousa foi ao jornal no aniversário do mesmo dizer que eram um pilar da democracia? Está tudo de pernas para ar. Reis Santos


Like

Guest
Apr 08, 2023

Doa a quem doer … foi bem pensado … quando não nos toca … Doa a quem doer… mesmo qdo estás a picar na sua própria ferida … espero que seja bom exemplo para a mais nova jornalista da CMTV … reporte com o mesmo sobrenome…boné journ… merci…

Like

Guest
Apr 08, 2023

Parabéns por mais um momento, como eles dizem "doa a quem doer".

Like

mario rodrigues
mario rodrigues
Apr 08, 2023

mais um caso de clara diferença entre

o “peso” da notícia ,

e a verdade da Informação .

Like

Guest
Apr 07, 2023

Tirem a carta profissional a esta tipa

Só desgraça a vida dos outros

Like
bottom of page